By: Michel Delgallo On: outubro 02, 2016 In: Conexões sórdidas, Luis Norberto Pascoal Comentários: 0

Infelizmente, relacionamentos pecaminosos entre políticos e homens de negócio desafiam o futuro do Brasil. O País está perplexo e confuso. Quem deveria estar zelando pela qualidade de vida do povo e das instituições, está fazendo parte de quadrilhas de assalto aos cofres públicos ou empresas estatais. E ver o dinheiro suado do povo, através dos impostos exorbitantes que são cobrados, jogado na vala da prostituição pública e de algumas empresas privadas em conluios assustadores, dá nojo. Vergonha na cara parece estar em falta. Mente-se deslavadamente com histórias que nos deixam com cara de idiotas. Tem momentos em que temos vontade de fazer julgamentos e punições com nossas próprias mãos, tanta é a nossa amargura e desespero.

Entretanto, não podemos jogar o bebê fora junto com a água do banho. Voltar ao passado de ditadura, nem pensar. Pensar em justiça pelo grito, também não. O que fazer então? Ficar esperando que algo caia do céu, também não dá. Parece que a única saída é apoiar continuadamente os promotores de justiça, polícia federal e os juízes que estão “lavando a jato” esses infortúnios e fazer a nossa parte em lutar através das nossas associações, todas elas, desde as de bairro, passando pelos sindicatos e igrejas, pela ética e justiça. Devemos cobrar insistentemente que a administração atual reduza seus gastos abusivos e corrija sua volúpia por leis inócuas ou puramente politiqueiras. Devemos apoiar a mídia que investiga e denuncia, comprando ou assinando seus veículos de imprensa. Também devemos escrever sempre que pudermos para os políticos que nada fazem ou pior, são parceiros dessa corja de arruaceiros do parlamento brasileiro. Devemos exigir que a MEDIDA PROVISÓRIA Nº 703, DE 18 DE DEZEMBRO 2015 seja revogada.

Já começam a surgir vozes e vontades por uma mudança por completo para ser reconstruído um Brasil sustentável, capaz de gerar riqueza e qualidade de vida. Talvez precisemos quebrar alguns vasos de flores, que já estão cheirando a podridão, e mudar a constituição de 1988, para algo mais aberto, mais transparente, com regras claras onde o futuro esteja presente na mesma proporção da esperança. Não é uma brincadeira linguística, não. É uma verdade que deve ser parte da vida e das reflexões de cada brasileiro. Exemplos não faltam. Educação, proteção da natureza e do ecossistema, novos cálculos dos gastos públicos limitados para não deixar que os governantes sejam bonzinhos com o recurso do povo, se passando por salvadores da pátria e deixando o ônus para a próxima geração. Não permitir que o estado seja dono do empreendedorismo, que pertence exclusivamente a cada cidadão, e faça de suas empresas cabides de empregos familiares ou de gestação de esquemas de propino duto com intenções promíscuas ou de perpetuação no poder.

Mudar é preciso. Acabar com a sordidez de políticos e empresários também. Esperar que caia do céu essa mudança, é ser muito otimista. Fazer o que? Nunca desistir! Fazer a sua parte, parar de reclamar e se mexer em pequenos grupos ou movimentos em rede, ou formar grupos de cidadania, eleger os deputados e senadores que merecem respeito e apoiá-los. Muitos e-mails para os políticos certos podem fazer um papel exemplar como a revoada de muitos pássaros. Isolados, nada somos. Unirmo-nos é a única saída para achar uma saída a esse impasse que parece sem saída.

Luis Norberto Pascoal
29/01/2016

Trackback URL: https://cdp.dpaschoal.com.br/index.php/2016/10/02/conexoes-sordidas/trackback/

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *